Arroz pode ser alternativa de renda e rotação na região

A safra de 2016/2017 é motivo de inovação. A Coopeagri, juntamente com o produtor Irineo Freiberg da localidade de Arroio Grande, em Selbach, retomaram uma prática que com o passar dos anos perdeu espaço, e hoje, por motivos diversos, como praticas conservacionistas, rotação de culturas eprincipalmente a viabilização de áreas de várzeas, volta a tona como uma importante alternativa de rentabilidade. Como relata o produtor, a cultura de arroz, às margens do rio Arroio Grande, era uma prática comum daquela localidade na década de 70 e 80. Com o passar do tempo, a medida que a soja foi ganhando espaço e a dificuldade de mercado do arroz na região, os produtores foram migrando de atividade. Entretanto, a lavoura de arroz mudou muito nos dias atuas. Boas práticas de manejo e o auxílio de tecnologias fizeram com que a produtividade desse um pulo significativo. 

 

Algumas safras de soja frustradas devido as costumeiras enchentes do rio Arroio Grande, fizeram com que produtor e cooperativa buscassem uma alternativa onde então o arroz ganhou força pela possibilidade de adaptação as condições de solo alagado.

A lavoura foi conduzida no sistema de produção convencional com a tecnologia de curvas de nível a laser para posterior irrigação da área. A variedade escolhida foi o IRGA 424, de ciclo médio e com excelente adaptação a distintas regiões, além claro de uma estabilidade produtiva e tolerância a Brusone (Pirycularia Grisea), principal doença da cultura. Hoje (10/03/17) a lavoura de 17 hectares encontra-se em R7 e tem previsão de colheita para final de março com boa estimativa de produtividade e rentabilidade ao produtor